terça-feira, 7 de março de 2017


INSTITUCIONALIZADA  

Exigir que uma pessoa que ganha 28 mil reais por ano, por ano!, declare imposto de renda também é uma forma de bandidagem e corrupção. Leonina e institucionalizada.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

TV CÂMARA - 2015






CORJAS DE ELITE



COM O ACOLHIMENTO DO PEDIDO DE IMPEACHMENT, A BRIGA ENTRE QUADRILHAS PEGOU FOGO DE VEZ EM BRASÍLIA. AGORA, TODO CUIDADO É INÚTIL PORQUE, NÃO SENDO NO MORRO DO ALEMÃO, MAS NO MORRO CENTRAL, AS BALAS PERDIDAS NUNCA PEGAM NUMA SOMENTE PESSOA - SÓ PEGAM NO POVO TODO.


ATORES DE UM FILME ANTIGO

O mais curioso e interessante na nossa classe política é que muitos dos seus integrantes, conhecidos e reconhecidos também como corruptos, de vez em quando aparecem rasgando o verbo nas tribunas e nos canais de televisão, mesmo a gente sabendo (e eles também) que, no dia seguinte, logo cedo, podem ser os novos recebedores da visita da Polícia Federal.

Os caras falam assim numa pose danada, cheios de ética e de educação e promovem um espetáculo de cinismo tão bem feito que, quando aparecem em close de câmara, a gente vê a hora eles mesmos não aguentarem e caírem na risada com o que estão dizendo. É, pelo clima, a gente chega até a esperar isso mesmo!

Não, ao invés disso, seguram a gravata, o tom de voz, a falsa sisudez, ficam bem sérios (parecem gente), e seguem o palavrório numa desenvoltura bonita danada, rapaz! Somente o bom observador, aquele que tem noções de política por trás das câmeras e um pouquinho de psicologia, é que consegue perceber que, ainda mais que ladrões e políticos, o que eles são mesmo é grandes atores em ação.

Isso mesmo! Grandes atores em ação. Figuras que se ao invés da Política, tivessem enveredado pelo campo da representação teatral, seriam capazes de desbancar qualquer Paulo Gracindo ou Fernanda Montenegro, pra ficar na lembrança de apenas um casal desse tão grande elenco brasileiro que é motivo de orgulho nacional.

Pra não cometer "injustiça"(a lista é grande), não vou citar nomes, claro, mas devo dizer que, apesar dos desastres causados por essas figuras ao nosso país, dou aqui minha mão à palmatória e meus parabéns a todos eles. Não pelo discurso e nem pelo talento na atividade Política, claro - a situação do país não permite isso -, mas pela habilidade e pela competência deles ao fazerem o papel de homens de bem.

Não sei se os verdadeiros atores e atrizes vão gostar disso - pouco importa -, mas juro a vocês que, nos últimos tempos, ao invés de ficar vendo  em quem votar, de analisar conjuntura ou de fazer algo parecido, essa é uma das coisas que mais me chama a atenção e que me põe a matutar nos raros momentos em que me sento pra ver uma sessão plenária ou um jornal de televisão.

Que coisa curiosa, rapaz! Assim em termos de postura, de saber se expressar mentindo na maior cara de pau, esses caras não são apenas bandidos, não. São bandidos de alta (altíssima) periculosidade em privilegiada liberdade de ação. E olha que isso independe de lados e de partidos, e não é coisa de hoje não.

É filme antigo.